POLÍTICA | PÉS DE BARRO

STF sequestra bens de Wilson Santiago e Bosco Fernandes
Esposas e filhos de Wilson Santiago (PTB-PB) e de João Bosco Fernandes (PSDB) também tiveram bens sequestrados. 'Pés de Barro' apura desvio em obras contra seca.




Valter Campanato / Agência Brasil

O deputado federal Wilson Santiago (PTB-PB) e o prefeito João Bosco Fernandes (PSDB), da cidade de Uriaúna, tiveram os bens sequestrados após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello. A decisão foi tomada após uma representação feita pela Polícia Federal e atinge também as esposas e filhos dos dois, incluindo o deputado estadual Wilson Santiago Filho (PTB). Wilson Santiago e João Bosco são investigados na Operação Pés de Barro, que apura pagamento de propina nas obras de uma adutora no Sertão da Paraíba.

Conforme pedido da PF, relatórios revelam conversas de um aplicativo de mensagem extraídas por um laudo pericial cujos textos corroboram os indícios de que os recursos financeiros obtidos pelo prefeito no esquema investigado estavam sendo lavados por meio da aquisição de animais e imóveis na zona rural de Uiraúna, em nome de terceiros.

Em outro trecho, com base em análise de áudio, uma pessoa relata indícios de possível ocultação de patrimônio de Wilson Santiago em nome dos filhos, e que o deputado federal utilizaria o dinheiro da propina para pagar uma dívida contraída com um agiota da região de Uiraúna para saldar despesas de campanhas políticas.

Segundo a Polícia Federal, o esquema era comandado pelo empresário George Barbosa, dono de uma construtora que já realizou duzentas obras públicas. Em troca de propina, ele teria sido beneficiado pela Prefeitura de Uiraúna e vencido uma licitação fraudulenta.

Ainda de acordo com a PF, o rateio era simples: 10% do valor total foi parar com o deputado federal e 5% do valor foi para o prefeito. O esquema funcionou até setembro do ano passado, quando George procurou a Polícia Federal. Ele fez um acordo de delação premiada e depois disso passou a gravar as entregas de propina.

A operação que investiga o esquema foi deflagrada no dia 21 de dezembro de 2019. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão, entre eles no gabinete do deputado José Wilson Santiago (PTB-PB), na Câmara dos Deputados, em Brasília. O ministro Celso de Mello, que autorizou as buscas, também determinou o afastamento de Santiago do mandato.

Em imagens coletadas pela Polícia Federal e divulgadas pelo Fantástico, o prefeito de Uiraúna aparece depois dos encontros para entrega de propina em Brasília escondendo dinheiro na cueca.

No domingo (12), foram divulgados novos vídeos de pagamento de propina, desta vez em João Pessoa, em frente a um supermercado. George separou R$ 50 mil para entregar a Evani Ramalho, secretária parlamentar de Wilson Santiago.  

Os policiais federais estavam escondidos no local. O carro da assessora chegou e George entrou no carro com um gravador de áudio ligado. Ela ainda reclamou que o dinheiro estava numa sacola, fácil de ser visto, e que faltava dinheiro. Depois, foi embora. Os policiais a seguiram até ela entrar na sede estadual do PTB, em João Pessoa, o partido presidido por Santiago na Paraíba. Dois dias depois, ela repassou mais R$ 50 mil ao empresário, e foi presa acusada de corrupção.

Wilson Santiago responde ao processo em liberdade, já o prefeito de Uiraúna segue preso desde que foi detido no dia que a operação foi deflagrada. Ele foi afastado do cargo e quem assumiu o cargo foi o vice-prefeito, José Nilson Santiago Segundo (PTB), que é sobrinho de Wilson Santiago.

O que dizem os investigados

A defesa de Wilson Santiago informou às 17h30 que ainda não tomou conhecimento da decisão. Na época da digulgação dos vídeos pelo Fantástico, a defesa disse que ele nunca recebeu propina e que não tem conhecimento de que os assessores dele tenham recebido. “O deputado tem total interesse no esclarecimento desses fatos até para que ele possa comprovar a sua inocência e demonstrar que o delator tão somente está fazendo essas acusações para auferir os benefícios da delação premiada”, declarou, à época, Luís Henrique Machado, advogado do parlamentar.

A defesa de Wilson Filho informou que o deputado estadual não foi notificado a respeito da decisão.

A defesa do prefeito de Uiraúna informou, à época, que só vai se manifestar após conhecimentos e análise da denúncia.

A defesa da secretária de Wilson Santiago informou que ela está à disposição da polícia e do Poder Judiciário para contribuir com o que for necessário para provar a inocência.

Já os advogados de George Barbosa disseram que o empresário resolveu “colaborar com a Justiça para corrigir condutas avaliadas como ilícitas”. Ele também responde em liberdade.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM