POLÍTICA | COLUNA SEMANAL

Coluna 'Faisqueira' - 27/dez - confira




Reprodução

Destrancado
O ex-prefeito de Triunfo – Paraíba, Damísio Mangueira, que foi preso no último dia 20 de novembro, pela Polícia Federal, em decorrência de irregularidades praticadas à frente da prefeitura, no âmbito da Operação Sanguessunga, foi liberado ontem do Batalhão de Polícia na cidade de Patos, aonde se encontrava trancafiado.

Marcos do Riacho do Meio
Tomou posse ontem, na sede da Câmara Municipal, o vice-prefeito de Cajazeiras, Marcos do Riacho do Meio, que deverá permanecer na prefeitura até o dia 21 de janeiro de 2020, enquanto o prefeito José Aldemir permanecer de férias na Europa, acompanhado da família. Boa sorte.

Sem chão
O mais fiel escudeiro do ex-governador Ricardo Coutinho, em Cajazeiras, é o vereador Rivelino Martins. Por sinal, o único que compareceu a entrevista dele na cidade de Sousa, antes de sua prisão.  Os inúmeros outros, que eram os primeiros a chegar ao aeroporto, após o rompimento de Ricardo com João Azevedo, simplesmente sumiram, desapareceram, escafederam-se. Neste caso, 99,99% é apenas amigo do poder.

Escorregadias
A celebre frase de Ricardo Coutinho, em meio ao turbilhão da Operação Calvário, “aqui ninguém solta a mão de ninguém”, em alusão ao que seria uma  possível “traição”, foi redondamente enganado. Seus fiéis auxiliares, devem ter passado sebo de carneiro capado nas mãos, porque ninguém sustentou a mão de ninguém, principalmente a dele.

Inoperante
O investimento não foi pequeno e a luta foi grande, mas parece que foi em vão. Quando o IML de Cajazeiras é acionado para receber os corpos não tem funcionários para executar o serviço. Continua o mesmo muído: os corpos têm que ser levados para a cidade de Patos. Até quando? Talvez, um dia quando a cidade de Cajazeiras tiver políticos com prestígio para atender aos anseios do povo e não seus interesses eleitoreiros, a exemplo do que ocorreu recentemente no hospital de Cajazeiras, aí sim esta cidade tem o que comemorar.  

Indignado e traído?
O deputado estadual Jeová Campos abriu a boca para externar o seu descontentamento com a demissão da Diretora do Hospital Regional de Cajazeiras, a enfermeira Edjane Leite, e foi mais além: “usaram o meu nome em vão, informando ao governo que eu estaria de acordo com sua exoneração”. Cochilou, o lençol cai. Agora Inês é morta.

Reconquista
A direção do Hospital Regional de Cajazeiras, que esteve sempre sob o comando de uma ala política, mas nos oito anos do governo de Ricardo e quase um ano do governo de João Azevedo, os diretores eram “comandados” diretamente pelo governo, neste final de ano volta às mãos dos políticos. João Azevedo tem outra dinâmica administrativa. O povo quer o HRC atendendo suas demandas, seja lá quem seja seu dirigente. Nesta mudança, aguardam-se melhoras.

O grande prato de angu
Tudo leva a crer que o “prato de angu” que está sendo servido pela Operação Calvário, é bem maior do que se imagina e vê-se que debaixo dele tem alguns ingredientes que jamais se imagina. Até o “Juízo Final”, muitas almas ainda vão ser purgadas, até chegarem às profundezas do inferno, ou do céu?

Segurança
O governador João Azevedo, na entrevista coletiva, após a prisão de Ricardo Coutinho, decretou o fim das organizações sociais na Paraíba e relatou dois fatos importantes: “não conheço este Daniel Dantas” (o responsável mor das propinas) e ainda “os três milhões de reais gastos na nossa campanha, o presidente Nacional do PSB está querendo que eu devolva”. Suas palavras passaram confiança e segurança em seus aliados.

Chico Mendes
O prefeito de São José de Piranhas, Chico Mendes, não é filho de pescador e não sabe sequer enfiar uma isca no anzol, mas tem conseguido para o seu município, “uns peixes” bem graúdos, a exemplo dos recursos para construção de uma Escola Técnica, na ordem de quase sete milhões de reais. Qual seria a “isca” que Chico usa para conseguir tanto dinheiro? Está precisando ensinar aos prefeitos da região.

Bosco Fernandes
O prefeito de Uiraúna, Bosco Fernandes, entrou pelo cano, na Operação “Pés de Barro” e entupiu de propina os tubos que iam transportar as águas (e tem?) da Barragem da Capivara para a cidade de Uiraúna e o pior é que seu grande escudeiro, deputado federal Wilson Santiago, estaria também com os pés atolados na lama, após o “desmanche” dos pés de barro.

Mais poder
A Medida Provisória encaminhada pelo presidente da República, que trata da eleição dos reitores das universidades tem novidades: os diretores dos Campi, serão nomeados diretamente pelo reitor. Antes era uma eleição com lista tríplice. Outra novidade: o mandato não pode ser renovado, nem de reitor, nem de diretor. E na famosa lista tríplice de reitor o presidente nomeia quem ele desejar. 

Jornal Gazeta do Alto Piranhas. Publicidade/Redação/Assinatura/Reclamação: (83) 3531-1535 / Emal: altopiranhas@uol.com.br




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |  28/02/2020 - 15h





POLÍTICA  |  27/02/2020 - 12h