MAIS NOTÍCIAS

PF vai investigar brasileiros que não devolveram auxílio pago indevidamente
Operação da PF realizada nesta quinta prendeu quatro pessoas por supostas fraudes no benefício do governo.




Reprodução

Após a realização da operação Segunda Parcela, que prendeu fraudadores do auxílio emergencial, a Polícia Federal (PF) alertou, nesta quinta-feira (10/12), que brasileiros que receberam o benefício indevidamente e não devolveram o dinheiro podem ser investigadas.

No total, foram cumpridos, nesta manhã, 42 mandados de busca e apreensão e quatro de prisão. Três criminosos, no entanto, seguem foragidos no Rio de Janeiro. Os policiais anteciparam que várias outras operações serão deflagradas nas próximas semanas.

 
“Para quem recebeu parcelas do auxílio emergencial indevidamente, procure a Caixa [Econômica Federal] e restitua esses valores, sob pena de poder também ser objeto de uma execução penal”, avisou o coordenador-geral de polícia Fazendária da PF, Cleo Mazzotti.

O Ministério da Cidadania criou um site (acesse aqui) para devoluções do auxílio emergencial caso os beneficiários acreditem ter recebido o dinheiro fora dos critérios. É preciso informar o CPF. Será emitida uma Guia de Recolhimento da União (GRU), que funciona como um boleto.

“A nossa estratégia está funcionando. Nós realmente vamos conseguir desarticular várias organizações criminosas”, prosseguiu o coordenador-geral de polícia Fazendária, em coletiva realizada na sede da Superintendência da PF em São Paulo.

Foram deflagradas ações da operação Segunda Parcela, da PF, em ao menos 14 estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Bahia, Santa Catarina, Tocantins, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Maranhão , Piauí e Mato Grosso do Sul.

Além da Polícia Federal, participaram das investigações o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério da Cidadania (MCid), a Caixa Econômica Federal (CEF), a Receita Federal (RF), a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU).

Na maioria das vezes, as fraudes são realizadas por meio do aplicativo Caixa Tem, criado para movimentar a Poupança Social digital. Os criminosos usam dados de beneficiários aptos a receberem o auxílio e roubam o dinheiro por meio do pagamento de boletos, por exemplo.

 
Uma presa, inclusive, é fucionária de uma dessas fintechs que realizam o pagamento de boletos. O nome da empresa não foi divulgado. “O notebook funcional dela foi apreendido, e é algo que nos chama atenção pois ela conhece a rotina”, disse o coordenador da operação, Gilberto José Pinheiro Júnior.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



MAIS NOTÍCIAS  |   27/02/2021 06h00





MAIS NOTÍCIAS  |   23/02/2021 18h03


MAIS NOTÍCIAS  |   22/02/2021 15h03

Catolé do Rocha - PB