POLÍTICA | CÂMARA FEDERAL

Material sobre racismo poderá ser apreendido sem autorização da Justiça
Deputado Wilson Santiago defende maior rigor no combate ao racismo.




Reprodução

Delegado de polícia poderá apreender materiais utilizados em manifestações de racismo em situação de flagrante delito. A medida consta no Projeto de Lei 5277/20 que inclui solicitação ao juiz para interromper transmissões relacionadas ao delito em veículos de comunicação.O texto, que tramita na Câmara dos Deputados, recupera dispositivos da Lei 8.882/94 que acabaram revogados pela atual lei que trata dos crimes de preconceito de raça ou de cor (Lei Caó).

 
Segundo a Lei 8.882/94, o juiz poderia determinar, ainda antes do inquérito policial, a apreensão dos materiais usados no crime e a cessação de transmissões a ele relacionadas em rádio e TV. Previa ainda punição mais rígida, de 2 a 5 anos de reclusão, para quem pratica, induz ou incita a discriminação ou o preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Atualmente, a Lei Caó não traz mais as hipóteses de apreensão de materiais e de interrupção das transmissões relacionadas a ele, e prevê pena menor para o mesmo crime: reclusão de 1 a 3 anos e multa.
 

Queremos que a autoridade policial possa utilizar medidas cautelares que assegurem a instrução criminal e a aplicação da lei penal, bem como impedir transmissões radiofônicas, televisivas e pela internet de conteúdo relacionado ao crime de racismo”, diz o autor, deputado Wilson Santiago (PTB-PB).

 




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   21/01/2021 19h49

Uiraúna - PB
 




POLÍTICA  |   20/01/2021 10h14

Uiraúna - PB
 

POLÍTICA  |   19/01/2021 12h14