GERAL

OMS suspende estudo da hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19
A hidroxicloroquina tem sido estudada no ensaio clínico Solidarity (Solidariedade, em português), liderado pela OMS, que investiga a eficácia de quatro medicamentos no tratamento da Covid-19.




COFEMAC/Arquivo

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus anunciou que os estudos com hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19 foram suspensos para avaliação de resultados. O anúncio foi feito durante a coletiva de imprensa nesta segunda-feira (25).

Na coletiva, o diretor-geral mencionou uma pesquisa publicada pela revista médica The Lancet na última sexta-feira (22), que relatou um aumento na taxa de mortalidade entre os pacientes que utilizaram o medicamento. O estudo também afirmou que os infectados tratados com hidroxicloroquina possuem maior probabilidade de desenvolver arritmias cardíacas. 

A hidroxicloroquina tem sido estudada no ensaio clínico Solidarity (Solidariedade, em português), liderado pela OMS, que investiga a eficácia de quatro medicamentos no tratamento da Covid-19. "A Organização Mundial da Saúde continua trabalhando incansavelmente para obter mais pesquisas de desenvolvimento", afirmou Tedros. 

O ensaio acontece em mais de 400 hospitais, esplhados em 35 países. No Brasil, a organização do estudo é realizada pelo Instituto Nacional de Infectologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).  

Segundo Tedros, apesar da hidroxicloroquina ser aceita como segura para doenças autoimunes, a exemplo da Malária, há uma preocupação em relação ao uso do medicamento para tratar a doença causada pelo novo coronavírus.

 
O diretor-executivo de emergência em saúde da OMS, Michael Ryan, ressaltou que não é uma interrupção do estudo, mas uma suspensão para analisar os resultados obtidos pelo ensaio clínico. "Estamos fazendo uma interrupção para analisar esses dados. Não se relaciona a nenhum problema atual no âmbito do ensaio. Estamos agindo com cautela", declarou. 

Epicentro da pandemia

Na última sexta-feira (14), Michael Ryan afirmou que a América do Sul se tornou o novo epicentro de transmissão do novo coronavírus. "Vimos muitos países da América do Sul com número crescente de casos [da doença] e há uma preocupação com todos, mas certamente o mais afetado neste momento é o Brasil", afirmou o médico.

O Brasil é o país da América Latina com o maior número de casos e mortes pela Covid-19. Até domingo (25), foram registrados 363.211 casos e 22.666 vítimas da doença, de acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. 




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM