PARAÍBA

Avião que caiu com Gabriel Diniz fazia voo irregular, diz ANAC
Aeronave, de propriedade do Aeroclube de Alagoas, caiu no sul de Sergipe, em 27 de maio do ano passado.




Reprodução

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concluiu, na semana passada, que o avião que levava o cantor Gabriel Diniz da Bahia para Alagoas não tinha autorização para realizar o serviço de táxi aéreo. A aeronave, de propriedade do Aeroclube de Alagoas, caiu no sul de Sergipe, em 27 de maio do ano passado. Gabriel Diniz e os dois pilotos, Linaldo Xavier e Abraão Farias, morreram na hora.

 
VEJA NOTA DA ANAC

A aeronave de matrícula PT-KLO, acidentada em Sergipe (AL), em 27 de maio de 2019, era de propriedade do Aeroclube de Alagoas, estava registrada na categoria “Instrução” e não poderia prestar serviço fora da sua finalidade, incluindo o transporte remunerado de pessoas. Após o acidente, a ANAC suspendeu o aeroclube e as respectivas aeronaves cautelarmente. Acesse aqui o posicionamento divulgado à época.​

Conforme o resultado do processo administrativo para constatar o Transporte Aéreo Clandestino (TACA) e outras irregularidades, foram emitidos cinco autos de infração ao aeroclube, que estão em processo de julgamento. A Agência também emitiu ofício à Polícia Federal de Alagoas informando o resultado das apurações feitas pela ANAC.

As investigações sobre as causas do acidente são conduzidas pelo Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA II), de Pernambuco (PE), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), do Comando da Aeronáutica.



Galeria de Fotos:





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM






PARAÍBA  |  30/05/2020 - 03h