COVID-19 | CÁOS

VÍDEOS mostram desespero em Manaus por falta de atendimento médico
A capital do Amazonas vive uma situação de colapso em seu sistema público de saúde.




Reprodução

Três vídeos gravados por moradores de Manaus mostram o desespero da população diante da falta de atendimento médico em unidades públicas de saúde da cidade, em meio à pandemia do novo coronavírus.

A capital do Amazonas vive uma situação de colapso em seu sistema público de saúde. O estado tem a mais alta taxa de incidência do novo coronavírus do país: são 1.809 casos confirmados e 145 mortos pela covid-19, de acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde.

A veracidade dos vídeos foi confirmada pelo UOL com três fontes médicas e com uma pessoa que gravou uma das três filmagens. Todas as situações foram flagradas durante a noite de ontem em unidades sob a responsabilidade do governo do estado.

Nesta semana, uma outra gravação, revelada pela "Folha de S.Paulo", mostrou corredores e salas do hospital público João Lúcio com corpos à espera de remoção ao lado de pacientes e macas no chão.

A Susam (Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas) afirmou que "o avanço da pandemia de coronavírus no estado e o aumento rápido do número de casos sobrecarregou os serviços de saúde".

"Além da limitação de leitos, a capacidade de atendimento dos serviços de urgência e emergência está sendo afetada pelo afastamento de profissionais de saúde", disse o órgão, em nota (leia mais abaixo).

A primeira gravação que o UOL teve acesso foi feita por Wollace Lima. Ele mostra seu pai, um idoso, deitado em maca dentro do SPA de São Raimundo, uma unidade de pronto atendimento do bairro da zona oeste de Manaus.

"Negligência médica aqui. Meu pai morrendo aqui. Não leito. Não tem urgência. Não tem enfermeiro. Não tem nada", diz ele no vídeo.

Na gravação vê-se outros pacientes deitados em leitos próximos a uma recepção e não dá visualizar profissionais de saúde nas proximidades. Por volta das 1h deste sábado, Wollace publicou o vídeo em seu perfil no Facebook e afirmou que seu pai havia morrido.

O UOL não teve acesso ao atestado de óbito do paciente para saber a causa. Pelo menos três pacientes com suspeita de covid-19 morreram na unidade na última noite.

Em outra filmagem, também foi gravada no SPA São Raimundo, um jovem permanece desacordado em uma cadeira de rodas na entrada da unidade de saúde, enquanto seus parentes se desesperam e gritam por atendimento médico.

"Como é que não tem médico aqui?", pergunta um rapaz de camisa amarela. Pouco depois surge um profissional de saúde que permite que os rapazes entrem com o paciente no local.

Em desespero, outros moradores chegaram a quebrar uma porta de vidro do SPA São Raimundo. A reportagem apurou que por volta das 19h só havia um clínico geral para atender todos os pacientes.

"Na verdade muitos funcionários e médicos do SPA foram infectados. Então os plantões estão desfalcados e ninguém quer ir trabalhar lá. Mas sei que tinha médico lá sim, mas deviam estar em outra emergência. É complicado", diz um médico que trabalha no local e pediu para não ser identificado.

"O médico estava atendendo dois pacientes em estado gravíssimo e mais o senhor que aparece no vídeo gravado pelo filho. Só havia ele para atender todos os pacientes", afirmou uma técnica de enfermagem, também sob sigilo.

No terceiro vídeo, no SPA Alvorada, bairro localizado na região centro-oeste de Manaus, vê-se moradores revoltados após receberem a notícia da morte de um paciente. Eles gritam e batem na porta da unidade de pronto atendimento.

Não somos os culpados, dizem médicos

Médicos manauaras ouvidos pelo UOL afirmam que a revolta da população está direcionada aos alvos errados.

Especialistas de outras áreas, a exemplo de pediatras, estão atendendo casos suspeitos de covid-19 por causa da falta de clínicos gerais nas unidades de Manaus.

"E mais uma vez a população acha que a culpa do caos é do médico. Somos reféns desse caos", afirma uma médica, que pediu para não ser identificada.

Há relatos de unidades de saúde que não estão abrindo para atendimento porque não há médicos.

No ano passado, exatos 549 médicos das mais variadas especialidades deixaram de trabalhar na cidade de Manaus, de acordo com dados do Cremam (Conselho Regional de Medicina do Amazonas). O êxodo corresponde a cerca de 10% dos aptos a praticar medicina no estado.

O motivo principal para tal debandada seria o atraso de pagamento dos salários destes profissionais e outros das áreas de saúde pelo governo do Amazonas, além da precária estrutura das unidades hospitalares públicas.

Durante uma coletiva nesta semana, a secretária estadual de Saúde, Simone Papaiz, admitiu a dificuldade de encontrar novos profissionais de saúde para atender a demanda criada pela pandemia.

"Quanto à contratação de equipes de médicos, lembro que há uma dificuldade aqui no Amazonas, que é a oferta de recursos humanos", afirmou.

Antes de ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, criticou a gestão do governo do amazonense.

"Manaus está tendo muita dificuldade. Falta de gestão, falta de organização do sistema. Trocaram o secretário de saúde na semana passada".

Médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem trabalham sem acesso a remédios e equipamentos de proteção individuais (EPIs). Relatam falta de material para trabalhar nos casos mais graves.

O governo foi criticado por alugar por R$ 2,6 milhões um hospital particular desativado para receber pacientes da covid-19. A Justiça suspendeu o pagamento do contrato. Uma nova decisão permitiu que o governo continuasse com as obras na unidade, mas determinou que o contrato seja publicado no Diário Oficial do estado.

A Justiça Federal acolheu os pedidos do Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP/AM) e decidiu obrigar o estado do Amazonas e a Fundação de Vigilância Sanitária (FVS) a publicar, no prazo de três dias, informações claras e atualizadas, no site na internet, sobre verbas federais já recebidas e a receber e sobre o repasse, pelo Ministério da Saúde, de respiradores, equipamentos de proteção individual (EPIs) e testes, entre outros dados.

Em uma nota anterior, a Susam afirma que todas as unidades de saúde do estado estão sendo abastecidas com EPIs.

Quase mil profissionais se afastaram, diz governo

Em nota enviada à reportagem, a Susam afirma que registrou 983 afastamentos de profissionais de saúde desde o começo da pandemia do novo coronavírus.

"Sendo que a grande maioria se afastou após o registro dos primeiros casos do novo coronavírus no estado e nem todos por suspeita ou confirmação da doença."

Conforme levantamento da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), 376 profissionais testaram positivo para o novo coronavírus, dos quais 56 médicos, 69 enfermeiros e 154 técnicos de enfermagem, diz a secretaria.

"Também há registro de médicos terceirizados que estão faltando aos plantões, sem reposição pelas empresas contratadas para prestar o serviço."

Lê-se ainda na nota enviada pela Secretaria de Saúde do Amazonas:

"Esta semana o Governo do Amazonas passou a realizar o agendamento on line e criou um sistema de atendimento específico para a aplicação de testes rápidos nos profissionais de saúde e um melhor acompanhamento dos casos de afastamento.

Para suprir a falta de profissionais, o governo está convocando 517 profissionais de saúde aprovados no concurso do Corpo de Bombeiros e abriu processo seletivo para contratar 704 técnicos de enfermagem. O Estado está pedindo reforços do Governo Federal que acaba de enviar 16 voluntários do programa Brasil Conta Comigo e ficou de mandar mais reforços, tendo em vista que o desafio também é a falta de profissionais especialistas no Amazonas, na quantidade exigida em razão da sobrecarga de demanda."



Confira o vídeo:






COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



COVID-19  |  23/09/2020 - 06h

Sousa - PB
 




COVID-19  |  22/09/2020 - 18h

Uiraúna - PB
 

COVID-19  |  22/09/2020 - 15h