UIRAÚNA

Parabéns Uiraúna! por Antônio Adalmir Fernandes
UIRAÚNA02/12/2019 01h54 Por: Fabio F Barbosa





Fábio Barbosa/COFEMAC

No dia 2 de dezembro de 1953, há exatamente 66 anos, a cidade de Uiraúna, Paraíba, foi presenteada com o prêmio da sua emancipação político-administrativa, sendo desvinculada em definitivo da sede do então município de Antenor Navarro.

A população de Uiraúna era composta por vila muito bem estruturada e organizada, que sonhava e lutava pela conquista das suas independência e autonomia para puder administrar os próprios negócios, posto que isso era condição imprescindível para o ansiado desenvolvimento social, econômico, político e administrativo.

A vila de Uiraúna existia basicamente em torno de pequeno comércio e sob o cultivo da agricultura familiar de subsistência, com a economia praticamente precária e sem a menor perspectiva de progresso.

Não obstante, esse vilarejo já estava decidido a criar as próprias asas e desbravar os obstáculos que impediam o seu crescimento, graças à inspiração trazida pela tão ansiada independência, que custou o denodo empenho de bravos homens públicos que acreditaram nas potencialidades das geratrizes do progresso da nova cidade paraibana.

Imbuídos do espírito de impetuosidade e da valentia dos sertanejos mais longínquos do estado da Paraíba, aliados ao firmado propósito da conquista de causa considerada justa no momento político, em que pesem as ingentes dificuldades e adversidades da época, persistentes cidadãos, de invejável quilate político, com forte desejo idealista de mudanças, resolveram encarar as fortes oposições e se lançarem na batalha em busca da definitiva independência de Uiraúna.

Tratava-se, na verdade, de objetivo ambicionado também pelo pequeno núcleo populacional encravado nas terras doadas pela prodigalidade do benemérito Padre José de França, na certeza de que as pessoas manifestavam desejos de contribuir para o desenvolvimento social e econômico da nova cidade, que já vinha se aprontando para a nova jornada em rumo ao progresso propiciado com a sua emancipação político-administrativa, na certeza de que o caminhar, dali em diante, seria com as próprias pernas, na construção da aspirada comunidade próspera, fraterna, trabalhadora e animada pelos fluidos benfazejos da independência.

Todo movimento empreendido em prol da emancipação da vila de Uiraúna tinha o respaldo da firmeza e da consistência em torno desse propósito, tanto que a união de todos foi fundamental para que a ideia se materializasse e ganhasse força e unanimidade da população, cuja persistência foi transformada na aprovação da lei pertinente, nesta data, há 66 anos, pela Assembleia Legislativa da Paraíba.

Naquela data, eu era criancinha que ainda usava chupeta, mas tive a subida alegria de desfrutar de momentos maravilhosos de muitas alegrias e comemorações festivas sem fim, com o povo nas ruas vibrando e aplaudindo as autoridades que lutaram bravamente para a concretude de extraordinária conquista, contando com a incontestável liderança do Dr. Osvaldo Bezerra Cascudo, que, apesar de ter nascido na cidade vizinha de Luís Gomes, foi o verdadeiro guerreiro e herói em defesa do projeto vitorioso, apesar de ter forte contestação por parte opositora à iniciativa separatista.

Tenho a lembrança de que avião do tipo teco-teco, aeronave considerada moderna da época, com capacidade para apenas duas pessoas, que tinha base na progressiva cidade de Cajazeiras, soltava panfletos em alusão ao momento histórico e festivo, com ênfase às boas novas vindas para os uiraunenses, que se orgulhavam da tão promissora autonomia político-administrativa de Uiraúna.

Em que pesem a notória e a ferrenha resistência à independência de Uiraúna, o ilustre e batalhador luisgomense foi reconhecido como autêntico gigante em razão do esforço e da dedicação com vistas ao convencimento vitorioso pela causa separatista, como se genuíno uiraunense ele fosse, na ingente luta travada heroicamente pela emancipação cogitada desde o segundo lustro da década de quarenta, em cristalina evidência do seu verdadeiro e imensurável amor à causa que teve final feliz, precisamente graças à sua firme e brava liderança.

Vale lembrar que, naquela época, havia a predominância do atraso da mentalidade de políticos históricos, que se julgavam os donatários das capitanias, dificultando, ao máximo possível, o desmembramento de núcleos populacionais de seus domínios políticos, a exemplo do que certamente deve ter acontecido com Uiraúna, que demorou a se separar do então município de Antenor Navarro, evidentemente porque isso contrariava interesses de poderosos políticos com domínio naquele município, diante da natural perda de influência e poder.

À toda evidência, os abundantes fatos históricos mostram que não foi em vão o homérico esforço desprendido por visionários homens públicos, que certamente se dedicaram ao máximo em nome de excelente causa, haja vista que Uiraúna é a exuberância da cidade que representa para o seu povo, empolgado e feliz com o seu progresso socioeconômico, fruto dos investimentos realizados na região, nos últimos tempos.

Não há dúvida de que me considero partícipe daquele inesquecível momento histórico, desde quando foi lançada a pedra fundamental da cidade que soube muito bem aproveitar os bons fluidos bafejados por idealistas e visionários homens públicos, que se tornaram épicos na busca de causa da maior importância para os uiraunenses: a sua independência político-administrativa.

Nesta data memorável e histórica, de nascimento da querida Uiraúna, é motivo de honrosa satisfação em relembrá-la, a par da imperiosa necessidade do reconhecimento e da gratidão às pessoas heroicas que se empenharam bravamente para que Uiraúna pudesse dar o seu grito definitivo de liberdade político-administrativa.

Neste momento especial, associou-me, com prazer, aos demais filhos de Uiraúna, para parabenizá-la pelo seu aniversário, na esperança de que esta data seja sempre marco para os melhores augúrios de progresso, que se faça presente constante em todo o seu território.

Ao ensejo, auguro os melhores sentimentos de felicidade, paz, proteção, segurança, benquerença e amor para todos os filhos dessa sempre amada terra dos célebres pássaros pretos, eternizados no belíssimo Monumento aos Pássaros, obra-prima erigida em sua homenagem.

Enfim, é com alegria que parabenizo a querida Uiraúna, minha terra natal, pelo transcurso de seu aniversário de emancipação político-administrativa, rogando a Jesus, Maria e José que concedam ao seu povo benfazejas e milagrosas bênçãos celestiais, para que se façam presentes esperança e progresso no seio da sociedade.

Brasília, em 2 de dezembro de 2019

Antonio Adalmir Fernande




COMENTÁRIOS




VEJA TAMBÉM



UIRAÚNA  |  09/12/2019 - 05h