Notícias

Banner noticia interna

Política
Dilma arrebata a China
PDF | Imprimir | E-mail
Sáb, 16 de Abril de 2011 21:25

Viagem rendeu mais de R$ 20 bilhões em investimentos diretos para o Brasil e o fim de antigos entraves comerciais.

A presidente Dilma Rousseff fez jus à fama de administradora pragmática ao trazer na bagagem de sua primeira viagem internacional de fôlego uma coleção robusta de resultados. A visita bilateral à China e a participação na Terceira Cúpula dos Brics, sigla que reúne Brasil, Rússia, China, Índia e, a partir de agora, a África do Sul, renderam desde promessas de investimentos bilionários de empresas asiáticas a manifestações de apoio a um maior protagonismo brasileiro no Conselho de Segurança das Nações Unidas e em instituições financeiras multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

Dilma foi recebida com pompa e reverência pelo presidente chinês Hu Jintao em Pequim

china-dilma9245273

Não faltou planejamento à visita, que começou com um grande anúncio: o de investimento de US$ 12 bilhões numa nova fábrica no País pela Foxconn, empresa sediada em Taiwan e maior fornecedora mundial da Apple. Outro US$ 1 bilhão deve ser aplicado por empresas chinesas de tecnologia e agronegócio. Além disso, espera-se a participação de companhias do país em obras de infraestrutura como a licitação do trem-bala entre São Paulo e Rio de Janeiro.

A presença da presidente no gigante asiático também serviu para destravar disputas comerciais antigas. A primeira foi a manutenção da fábrica da Embraer, que estava ameaçada de fechar por falta de demanda para os únicos jatos que era autorizada a construir pelo sócio estatal Avic, os ERJ-145. A empresa conseguiu novas encomendas que podem chegar a US$ 1,3 bilhão de jatos E-190, para 100 passageiros, e passará a produzir jatos executivos na China. O segundo entrave comercial desfeito, ao menos em parte, foi a permissão para que o Brasil comece a exportar carne suí­na para a China, que é a maior consumidora mundial e até agora impunha barreiras sanitárias aos frigoríficos brasileiros.

A comitiva de empresários arregimentada pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) foi um pouco menor que a esperada, mas reuniu pesos pesados da indústria com interesses na China, como o os presidentes da BR Foods, José Antonio Fay, da Marfrig, Marcos Molina, da Embraer, Frederico Curado, e o vice-presidente corporativo da Suzano Holding, Daniel Feffer.

A agenda para os próximos meses está cheia, especialmente visando maior participação brasileira nos organismos multilaterais. “Não é possível que no século XXI ainda estejamos atrelados a um sistema definido após a Segunda Guerra”, disse a presidente durante a reunião dos Brics. Na declaração do grupo, China e Rússia “apoiam as aspirações da Índia, do Brasil e da África do Sul de ter um papel maior nas Nações Unidas, referindo-se ao pleito de assentos permanentes no Conselho de Segurança. Os países também se comprometeram a pressionar para que haja mudanças na direção de organismos como o FMI e o Banco Mundial, que deveriam iniciar uma rotatividade que não inclua apenas americanos e europeus nos cargos mais altos.

Outra aposta ousada do governo brasileiro é tentar que o China Development Bank financie empresas brasileiras que invistam na China nos mesmos moldes que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz em investimentos no país. A Petrobras, que já recebeu há dois anos US$ 10 bilhões do banco estatal, vinculados ao fornecimento futuro de petróleo, negocia um novo crédito. Mas a proposta do BNDES de cooperação com os outros bancos dos Brics incluiria financiamento a empresas de médio porte, menos conhecidas nos mercados internacionais. Fiel a seu estilo, a presidente não deixou que a agenda positiva a impedisse de dar recados incômodos, como rebater a tentativa do G-20 de impor limites aos preços de commodities, afirmando que a culpa não é dos paí­ses produtores como o Brasil, mas das políticas fiscais expansionistas como a dos Estados Unidos. “A expansão da liquidez pressiona a inflação mundial, especialmente a das commodities, o que cria insegurança alimentar e energética”, afirmou no encerramento do Fórum Boao para a Ásia, considerado o “Davos asiático”. Dilma foi convidada a falar no Fórum, que teve como tema neste ano o Desenvolvimento com Inclusão.

Da Isto É

china-dilma98634354

 

Compartilhe:

Comentário

Compartilhe sua opinião sobre a publicação. Deixe sua mensagem abaixo:

Código de segurança
Atualizar

Sua opinião é importante! Este espaço visa dar a você, leitor, uma oportunidade para que você possa expressar sua opiniões de forma coesa e clara sobre o fato abordado nesta página.

É importante salientar, que as opiniões expostas neste espaço, não necessariamente condizem com a opinião do portal COFEMAC.

 

 
11Dec 2011
LUCIANO PEREIRA
11-12-2011 13:57
um governo de verdade faz o nosso povo sonhar realizar conquistar ter visao no futuro vamos junto com dilma...
0 #2
 
 
19Nov 2011
auricelia
19-11-2011 20:30
parabéns á nossa presidente por esta consquista.......
0 #1
 
  • PMPJM 2
  • Corretor
  • Batatinha
  • Unaclin
  • Ricardo Morais
  • Betanio
  • Tata
  • Anderline
  • Herbalife
  • Cofemac
  • Expediente
  • Anuncie
  • Contato
  • 9999---